sexta-feira, 30 de março de 2012

Cabrito à Serra d'Arga


( Fonte da imagem - florculinariasaude.blogs.sapo.pt )

Hoje como sugestão gastronómica para a próxima semana trazemos-lhe um dos pratos típicos do Minho, o Cabrito Assado à Serra d’Arga. A Serra d’Arga encontra-se dividida pelos concelhos de Caminha, Ponte de Lima, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira. Parte integrante da Rede Europeia Natura 2000, esta serra destaca-se pela sua elevada biodiversidade, pelos inúmeros regatos e rios com as suas belíssimas quedas de água e pela sua deslumbrante paisagem sobre os campos verdes do Alto Minho. Nesta região serrana podemos encontrar o Cabrito das Terras Altas do Minho com a certificação de IGP (Indicação Geográfica Protegida), das raças serrana e bravia, e bastante procurado pelos adeptos de pratos regionais. O Cabrito à Serra d’Arga é assado no forno durante bastante tempo, para que a carne fique tenra e se solte dos ossos, com um sabor bastante apurado. Como guarnição serve-se o Arroz de Miúdos e batatas assadas, macias por dentro e com uma deliciosa crosta estaladiça. Para acompanhar este belo prato, recomendamos um vinho Tinto do Douro, de preferência novo e frutado. Como sobremesa, não deixe de experimentar as Meias Luas, um doce conventual típico de Viana do Castelo. Aproveite os próximos dias de sol, e após um passeio pela Serra d’Arga, venha até ao Restaurante Casa das Velhas experimentar esta magnifica refeição. Até já!

( Fonte da imagem - aromancias.blogspot.com )
( Fonte da imagem - olharvianadocastelo.blogspot.com)

quarta-feira, 28 de março de 2012

Feira de Artes e Velharias de Cerveira

(Fonte da imagem - Vale do Minho Digital)

No passado dia 11 de Março teve lugar a primeira edição deste ano da Feira de Artes e Velharias de Vila Nova de Cerveira, e apesar da próxima edição ser só em maio não queríamos deixar de escrever um artigo sobre esta iniciativa da Câmara Municipal.
Esta emblemática feira, que conta já com mais de uma década no seu historial, realiza-se na Praça da Galiza, sempre no segundo domingo de cada mês entre Março e Outubro. Neste certame pode adquirir antiguidades, velharias, filatelia, livros antigos, trabalhos em linho,  arranjos em flor de papel, artesanato em ferro, pinturas, mobiliário, bijutaria, raridades ou apenas objectos curiosos. Este evento distingue-se das outras feiras do sector não só por ser das maiores em termos de espaço, mas também porque é bastante procurada por portugueses e espanhóis em busca de objectos de interesse, a nível utilitário ou decorativo, ou até mesmo uma peça de coleção. Por isso, já sabe que pode contar com uma panóplia de objectos que o podem surpreender ou apenas relembrar outros tempos e, tal como nas edições passadas, poderá contar com actuações musicais e recreativas a acompanhar o evento. Quanto à edição de abril, ela foi cancelada devido ao facto de o segundo domingo de abril coincidir com a Páscoa, sendo a segunda edição deste ano realizada apenas em Maio. Mas não se preocupe, nós relembraremos esta próxima edição quando estivermos a aproximar-nos da data. Até já!

(Fonte da imagem - Cerveira Nova, 20/03/2012

segunda-feira, 26 de março de 2012

Convento e Forte da Ínsua



Hoje trazemos a história de um dos cartões-de-visita do Minho, o Forte da Ínsua, localizado numa pequena ilha rochosa a cerca de 200m da localidade de Moledo do Minho.

De acordo com Rufo Avieno, um escritor Etrusco que descreveu toda a costa desde a Grã-Bretanha até ao Mar Negro no século VI a.C., na ilha da Ínsua existia um templo dedicado a Saturno, Deus dos Mares. Só muito mais tarde, com a expansão do cristianismo foi construída uma ermida que era conhecida por Santa Maria da Ínsua, pelos portugueses e designada pelos espanhóis por Santa Maria de Carmes. O Convento de Santa Maria da Ínsua começou a ser construído em 1392, para albergar os franciscanos. Esta primeira edificação era composta por uma casa com oratório, torre sineira e refeitório, sem quaisquer condições de defesa, sendo a vida dos frades passada em pobreza e penitência. Deve-se a descoberta dum poço de água doce, um de três únicos do mundo situados no mar, aos frades desta ordem.

O fim do século XVI e o inicio do século XVII foi um período marcado por vários ataques ao convento. Em 1580 deu-se a ocupação pela armada galega, em 1602 é atacado por corsários ingleses e em 1606 saqueado por piratas franceses. Estes ataques consecutivos fizeram com que muitos dos frades abandonassem a ilha, estando apenas 2 frades registados em 1623.

Entre 1649 e 1652 inicia-se a construção do Forte, pelas ordens do Governador das Armas da Província do Minho, D. Diogo de Lima, com a função de proteger o convento e a entrada no rio Minho, iniciando também a longa e difícil coexistência entre os frades e os soldados.

Após 1676 até inícios do século XIX, o Forte e o convento sofreram várias obras de reparação e remodelação, mas que não evitaram a sua ocupação pela armada espanhola, aquando das invasões francesas. Em 1834 extinguem-se em Portugal as Ordens Religiosas, ditando o abandono do Convento pelos frades, sendo integrado no património nacional.

Uma curiosidade do Forte e da ilha da Ínsua é o facto de quando a maré vaza, formam-se bancos que criam uma língua de areia que permite a deslocação a pé até ao forte. Este acontecimento dá-se geralmente, de 50 em 50 anos, tendo a última vez sido em 2001, ainda que o nível da água desse pelo joelho ou peito em algumas zonas. No entanto, enquanto este fenómeno não volta a acontecer, pode visitar a fortaleza através de barco disponibilizado pela Capitania do Porto de Caminha. Até já!

( Fonte das Imagens - http://img.photobucket.com/albums/v244/Arpels )

Vista sobre Moledo e o Forte a partir do Mte. Stª Tecla


Forte a partir da praia

Pôr-do-sol junto ao Forte

Forte em dias de tempestade

sexta-feira, 23 de março de 2012

Sol, Rally e Lampreia...



Vista sobre o rio Minho a partir do Restaurante Casa das Velhas

Este fim-de-semana pode contar com um tempo soalheiro, ideal para um passeio junto da natureza e por isso recomendamos que venha a Cerveira! E como sugestão gastronómica, lembramos que a época da Lampreia está quase a acabar, por isso não perca esta oportunidade de vir ao Verde Minho e provar esta famosa iguaria tradicional. Despeça-se da Lampreia e do Inverno por este ano e receba a Primavera no nosso empreendimento. Relembramos também que o nosso restaurante “Casa das Velhas” é o único restaurante local a servir a lampreia à dose, além das duas formas tradicionais, a lampreia inteira e a meia lampreia servidas à travessa. Se gosta de automobilismo, não perca no sábado à tarde, o Fafe World Rally Sprint, uma exibição que antecede o Rali de Portugal e que conta com as equipas oficiais da Citroen, Ford e Mini. Como podem ver, não faltam razões para nos visitar. Até já! 



segunda-feira, 19 de março de 2012

História da Bienal de Cerveira

(Fonte:http://beijos-de-algodao.blogspot.pt/2011/09/bienal-de-cerveira.html)


Apesar da próxima edição da Bienal das Artes de Cerveira ser só em 2013, hoje levamos até si a história por trás daquele que é o principal evento artístico da região.
Apostando desde cedo na relação saudável e equilibrada entre a tradição cultural e a criatividade contemporânea, Vila Nova de Cerveira desenvolveu uma assinatura diferenciadora, ficando conhecido como “A Vila das Artes”, oferecendo assim todas as condições para a realização de um evento como a Bienal das Artes.

Em 1978, numa fase pós-ditadura, surgiu a necessidade de intervenção artística como modelo recuperado de expressão livre. Neste contexto de liberdade pós-repressão, o presidente da autarquia de Vila Nova de Cerveira, Lemos Costa, proporcionou um ambiente excelente para a realização de eventos artísticos. Jaime Isidoro, pintor e fundador da Bienal, recorda o desafio proposto pelo presidente: “Arranje lá uma exposição de arte moderna para Vila Nova de Cerveira”. E assim surgiu a I Bienal de Cerveira, e durante os dias 5 e 12 de Agosto de 1978 promoveu o intercâmbio de ideias para causar mudanças e transformações a nível económico, social e cultural. Esta primeira edição conseguiu reunir 400 obras de artistas nacionais e internacionais num pavilhão e sob o mote de “levar a arte à rua”, a Bienal Internacional de Arte de Cerveira afirmou-se como um evento de referência, sendo dos mais marcantes do país. Mas nem tudo correu bem nesta primeira edição, não faltando polémicas. Recorda Jaime Isidoro: “Numa das performances, a GNR entrou pelo pavilhão e acabou com tudo. Era um artista que representava S. Sebastião, mas que estava nu. As pessoas gritavam “É um homem nu e não percebiam que aquilo era arte!”. A irreverência deste certame foi um grande choque para o Minho conservador, de tal maneira que a segunda edição só foi possível realizar mediante algumas restrições.
Após três décadas de existência e mais de 500 mil visitantes, a Bienal é hoje uma marca com notoriedade nacional e internacional, sendo espaço de sinergias e estímulo de criatividade e cultura. A sua incidência geográfica tem sido alargada através da promoção de exposições e eventos culturais noutros locais do Minho, da Galiza e até mesmo no Porto, proporcionando assim um espaço de interacção, divulgação e projecção de artistas nacionais e internacionais.
Em 2010, a Fundação Bienal de Cerveira é reconhecida como um instrumento de interesse cultural e criativo, tendo como missão o desenvolvimento do sector criativo e artístico e a projecção de uma imagem de modernidade e qualidade de vida da região.

(Citações de Jaime Isidoro em entrevista ao DN no dia 9 de Agosto de 1998)

sexta-feira, 16 de março de 2012

Não perca, no restaurante Casa das Velhas...



NOTÍCIAS
"Contos da família" by Lendas e Rendas
“Uma vez, estava eu rondando a pequena cidade de Fátima ...”

Mostra e apresentação de loiças infantis.
Todas as peças são feitas em cerâmica e pintadas à mão com amor!
Criações de João Luís Stattmiller

Não é necessário qualquer tratamento especial: As peças podem ser
utilizadas no micro ondas e lavadas à máquina.
Traga a sua família e deixe os seus filhos experimentar
os nossos menus infantis com um sabor muito especial...


NOTICIA
"Cuentos de familia" por Lendas e Rendas
Una vez estaba yo caminando por la pequeña ciudad de Fátima...

Muestra y presentación de platos para niños....
Todas las peizas estás hechas en cerámico y pintadas a mano con amor!
Creaciones de João Luís Stattmiller

No requieren ningún cuidado especial: los platos pueden ir al microondas e lavavajillas.
Traiga a su familia y deje sus hijos experimentar nuestros menús para niños con un sabor especial!


NEWS

"Family Tales" by Lendas e Rendas
Once  upon a time I was wandering around the small town of Fatima ...

Shows and presentation of ceramic dishes for children.
All parts are made in ceramic and handpainted for you with love!
Creations by João Luís Stattmiller

No special care is required: You can pop us
in the microwave and wash us in the dishwasher.
Bring your family and let your children experience
our children's menus, with a very special flavor...